Administradores nos domínios da informática forense e da análise estratégica e operacional

Início > Administradores nos domínios da informática forense e da análise estratégica e operacional
Man Looking Through A Binoculars

A Comissão Europeia (CE) está interessada em recrutar administradores nos domínios da informática forense e da análise estratégica e operacional. Os especialistas recrutados (grau AD7) trabalharão sobretudo no Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF).

Oferecemos oportunidades profissionais a peritos que correspondam a um dos perfis a seguir descritos. Tenha em conta que só se pode candidatar a um domínio.

  • Domínio 1 – Informática forense

Algumas das suas principais tarefas consistirão em preparar operações forenses digitais em colaboração com os investigadores, inspecionar e identificar os meios de comunicação digitais e os respetivos dados que se afigurem relevantes para a operação forense digital, recolher os meios digitais pertinentes e adquirir dados através da criação de imagens forenses digitais utilizando equipamento forense especializado e ferramentas de software, utilizar as imagens forenses digitais para pesquisar e identificar os dados mais relevantes para o objeto do inquérito, efetuar uma análise básica dos dados e redigir relatórios forenses digitais.

  • Domínio 2 – Análise estratégica e operacional

Algumas das suas principais tarefas consistirão em fornecer análises operacionais rápidas e atempadas no âmbito de inquéritos do OLAF nos domínios das receitas e despesas da UE, pesquisar, extrair e analisar dados e informações da Comissão Europeia, de bases de dados comerciais e de fontes abertas, bem como dados forenses obtidos no contexto dos inquéritos do OLAF, desenvolver metodologias de informação e análise utilizando o software mais recente disponível, e efetuar análises estratégicas qualitativas e quantitativas para fazer avançar a política e a prevenção em matéria de luta contra a fraude com base em dados concretos.

 

Enquanto entidades empregadoras, as instituições e agências da UE proporcionam aos membros do seu pessoal o acesso a um vasto leque de competências e numerosas oportunidades para ampliarem os conhecimentos, melhorarem as capacidades e evoluírem profissionalmente. 

O respeito pela diversidade cultural e a promoção da igualdade de oportunidades são princípios fundadores da UE, pelo que o Serviço Europeu de Seleção do Pessoal se esforça por garantir as mesmas oportunidades, tratamento e condições de acesso a todos os candidatos. Para mais informações, consulte a página sobre a nossa política de igualdade de oportunidades, nomeadamente sobre como solicitar adaptações especiais nas provas de seleção.

 

Será que tem o perfil adequado?

 

Os candidatos devem ser cidadãos da UE e possuir um conhecimento aprofundado de uma língua oficial da UE, bem como um conhecimento satisfatório de inglês ou francês. Precisam também de satisfazer os seguintes critérios, que variam em função do domínio:

 

  • Domínio 1 – Informática forense: Os candidatos devem possuir um diploma universitário relevante para as funções em questão e correspondente a, pelo menos, quatro (ou três) anos de estudos ou uma formação/qualificação profissional de nível equivalente ao nível 7 (ou nível 6) do Quadro Europeu de Qualificações (QEQ) e relevante para as funções, reconhecida ou certificada por um Estado-Membro ou por um organismo público nacional ou internacional, seguida de, pelo menos, seis  anos (ou sete anos, respetivamente) de experiência profissional como perito em informática forense no âmbito de inquéritos no domínio da luta contra a corrupção e/ou a criminalidade financeira.
     
  • Domínio 2 – Análise estratégica e operacional: Os candidatos devem possuir um diploma universitário relevante para as funções em questão e correspondente a, pelo menos, quatro (ou três) anos de estudos ou uma formação/qualificação profissional de nível equivalente ao nível 7 (ou nível 6) do Quadro Europeu de Qualificações (QEQ) e relevante para as funções, reconhecida ou certificada por um Estado-Membro ou por um organismo público nacional ou internacional, seguida de, pelo menos, seis  anos (ou sete anos, respetivamente) de experiência profissional como analista de apoio a inquéritos que visem a corrupção e/ou a criminalidade financeira ou como analista estratégico de apoio à política antifraude.

 

Para informações pormenorizadas sobre os requisitos, o processo de candidatura e as provas de avaliação, consulte o anúncio de concurso nas páginas indicadas mais abaixo.

O prazo de candidatura tem início em 7 de outubro.