Passar para o conteúdo principal

Vantagens de trabalhar para a UE

Os membros do pessoal das instituições e outros organismos europeus ajudam a traduzir na prática os valores da União Europeia, contribuindo para decisões e iniciativas que afetam milhões de cidadãos.

Por seu lado, as instituições e outros organismos europeus oferecem ao seu pessoal uma série de vantagens significativas quer em termos profissionais, nomeadamente em termos de formação, quer no que respeita à vida pessoal.

Para mais informações, clique nas rubricas que se seguem.

Trabalhar num ambiente caracterizado por um ritmo muito acelerado, como é o caso das instituições europeias, pode ser muito exigente. No entanto, a UE promove um equilíbrio saudável entre a vida profissional e a vida privada que motive as pessoas a darem o melhor de si próprias tanto no local de trabalho como fora deste.

Trabalhar para as instituições europeias permite satisfazer as exigências quer profissionais quer da vida pessoal, sem ter de escolher uma em detrimento da outra.

Os horários de trabalho flexíveis, as possibilidades de teletrabalho, o acesso a uma vasta gama de cursos de desenvolvimento pessoal e a uma cultura de trabalho diversificada e inclusiva, as regalias relacionadas com a expatriação (por exemplo, o subsídio de viagem e o de expatriação) e as prestações «favoráveis à família» (por exemplo, o abono por filho a cargo, as escolas europeias e a licença parental) são algumas das vantagens oferecidas ao pessoal que contribuem para o seu bem-estar.

Independentemente de se ter um lugar permanente ou um contrato temporário, as instituições, agências e outros organismos da UE oferecem uma remuneração competitiva e proporcional às competências, experiência, responsabilidades e motivação dos membros do seu pessoal.

Os vencimentos variam em função do grau e da função. Para os funcionários, o vencimento inicial varia entre 3000 € (AST) e 5000 € (AD), consoante o grau de entrada, enquanto o vencimento inicial dos diferentes grupos de funções dos agentes contratuais se situa entre 2000 € e 2500 €. Os vencimentos vão aumentando, com base no mérito e na antiguidade, à medida que se progride na carreira.

Para mais informações, consulte esta tabela salarial.

Em função da sua situação pessoal, pode também ter direito a suplementos como o abono por filho a cargo, o subsídio de expatriação, o reembolso de despesas de transporte ou o subsídio de residência no estrangeiro.

Para mais informações, consulte o Estatuto dos Funcionários da UE.

Se tem filhos ou pensa constituir família um dia, saiba que nesse caso tem direito a prestações suplementares, como o abono de lar e o abono por filho a cargo, a licença parental, o abono escolar e uma contribuição para as despesas de viagem anuais de membros da família dos funcionários expatriados.

Trabalhar em Bruxelas ou na cidade do Luxemburgo proporciona ainda outras vantagens. Tanto uma como a outra são cidades favoráveis à vida de família, possuem ótimas escolas nacionais e internacionais e estruturas de acolhimento de crianças. São de destacar as Escolas Europeias, que ministram um ensino multilingue e multicultural aos filhos dos membros do pessoal das instituições, agências e outros organismos da UE.

As Escolas Europeias

As Escolas Europeias são estabelecimentos de ensino oficiais controlados em conjunto pelos governos dos 27 países da UE, que se dirigem sobretudo aos filhos dos membros do pessoal das instituições europeias. A missão das Escolas Europeias consiste em proporcionar um ensino de qualidade multilingue e multicultural a alunos do ensino pré-primário, primário e secundário. O ensino das principais matérias é ministrado nas línguas oficiais da UE. Este princípio permite salvaguardar o primado da língua materna do aluno (Língua 1). Cada escola possui várias secções linguísticas. Para promover a unidade no interior da escola e incentivar uma verdadeira educação multicultural, é prestada uma especial atenção à aprendizagem, compreensão e utilização de línguas estrangeiras.

A rede das Escolas Europeias é atualmente composta por 13 escolas, com um total de cerca de 28 300 alunos inscritos. A maioria dos alunos estuda em Bruxelas e no Luxemburgo, mas também existem escolas noutros países da UE.

Saiba mais sobre os objetivos e princípios das Escolas Europeias e as suas localizações.

Trabalhar para as instituições, agências ou outros organismos da UE constitui uma oportunidade de desenvolvimento profissional e pessoal ao longo da vida.

Graças à aquisição de novas competências, os membros do pessoal podem continuar a sentir-se altamente motivados, progredir na carreira e realizar todo o seu potencial profissional.

O pessoal pode frequentar cursos de formação num vasto leque de domínios, como a diplomacia, a inclusão e a diversidade, as políticas europeias, as relações interinstitucionais, o local de trabalho e as soluções sociais, as tecnologias da informação e o desenvolvimento digital, etc.

Alguns dos cursos são organizados pela Escola Europeia de Administração (EUSA), que foi criada expressamente para ministrar cursos interinstitucionais de elevada qualidade aos funcionários das instituições, agências e outros organismos da UE.

Os funcionários europeus dominam, pelo menos, duas línguas da UE e, antes de receberem a sua primeira promoção, devem comprovar que sabem uma terceira língua.

O pessoal das instituições, agências e outros organismos da UE interage em várias línguas no seu trabalho quotidiano. O desenvolvimento constante dos conhecimentos linguísticos é uma parte importante da carreira dos membros do pessoal, razão pela qual a UE organiza uma grande variedade de cursos de línguas.